Endodontia – tira suas dúvidas sobre o tratamento de canal

Dor de dente é um sinal de necessidade de tratamento de canal!

Nem toda dor de dente é um indicativo de necessidade de realizar um tratamento de canal, mas a dor considerada “pulpite irreversível” é um forte indicativo. A pulpite irreversível é aquela que não diminui quando se remove o agente agressor, como a cárie. Além deste sinal, existem alguns outros que podem indicar que algo não vai bem com o interior do seu dente, como: sensibilidade a temperaturas quentes e frias, dor pulsátil, sensibilidade para mastigar e dor irradiada para outros dentes.

Quando preciso me submeter a um tratamento de canal?

Dessa forma, torna-se necessário realizar o tratamento quando o tecido pulpar tiver sido contaminado pela cárie dentária, o que pode fazer com que bactérias entrem na câmara pulpar – quando isso acontece, ocorre um processo irritativo e inflamatório do dente, o que gera a dor e a sensibilidade. Para que estes sintomas não se manifestem de maneira mais grave e para evitar a necrose total da polpa dentária, é necessário que o paciente realize o tratamento com rapidez.

Quantas sessões de tratamento de canal preciso realizar?

A quantidade de sessões necessárias para realizar o tratamento dependerá do estado do dente – quanto mais infectado, mais sessões podem ser necessárias.

O que pode acontecer se eu não realizar o tratamento de canal?

Em caso de não realização do tratamento, a necrose da polpa pode acabar se estendendo para além da ponta da raiz do dente, o que pode causar reabsorção óssea, formação de cistos e contaminação de outros dentes. Além disso, em casos mais graves as bactérias podem ir para a corrente sanguínea, causando o que chamamos de bacteremia.
Neste sentido, vale ressaltar que o índice de sucesso do tratamento de canal é de mais de 95% – vale a pena realizá-lo e evitar problemas mais graves para sua saúde bucal.

E quais as alternativas para o tratamento endodôntico?

Se recusando a realizar o tratamento endodôntico, resta ao paciente a remoção do dente, solução que com muita probabilidade causará problemas de mastigação e de fala, além do problema estético.
Em alguns casos, é possível que após a realização do tratamento de canal, o paciente tenha que se submeter a um retratamento endodôntico. Isso acontece nos casos onde o primeiro tratamento não obteve sucesso, o que pode acontecer pela dificuldade de encontrar todos os canais radiculares presentes – quando a polpa dentária não é limpa por completo, a remissão dos sinais e sintomas de inflamação pulpar acabam voltando. Além disso, a qualidade da obturação do canal radicular é outro fator que pode tornar necessário o retratamento endodôntico. Nesses casos, vale a pena relembrar a importância de se consultar com um dentista qualificado, em uma clínica odontológica de confiança – a sua saúde bucal pode estar em jogo.

Conseguimos tirar suas dúvidas com relação ao temido tratamento de canal? Fique de olho no nosso Blog e acompanhe nossas atualizações!

Pin It on Pinterest

Share This

Compartilhe!

WhatsApp chat