A limpeza de dente realizada pelo dentista é chamada de profilaxia dentária. Na consulta de rotina quase sempre é necessário realizar uma profilaxia para se fazer um exame mais minucioso a fim de detectar cárie, entre outras doenças. Essa limpeza é feita com a raspagem, alisamento e polimento dos dentes. Esse procedimento pode ser feito manualmente com instrumentos adequados, mas também pode ser feito usando aparelho de ultrassom, jato de bicarbonato ou escovas e borrachas de polimento. O procedimento visa remover manchas, placa bacteriana e tártaro.

Com a limpeza é possível prevenir doenças das gengivas (gengivite) e também melhorar a aparência dos dentes, deixando-os limpos e brilhantes. Quando as superfícies dos dentes estão polidas é mais difícil o acúmulo de placa bacteriana e, por consequência, a formação de tártaro. O tártaro e a placa bacteriana são responsáveis por doenças como gengivite, cárie e mau hálito. A limpeza é uma oportunidade de o dentista mostrar aos pacientes as áreas onde a higiene está deficiente e também ensinar como usar a escova e o fio dental de maneira correta.

Problemas bucais são, geralmente, detectados durante uma limpeza, como é o caso da gengivite. Se, durante a limpeza, houver algum sangramento, não significa que ocorreu um ferimento, mas que ela está inflamada. Em casa, muitas pessoas deixam de passar o fio dental por pensarem que o sangramento é algum tipo de ferida, mas o que acontece é que sem o uso do fio dental acumula sujeira sob a gengiva, o que a deixa inflamada. Por isso ela fica sensível e sangra facilmente. Quando o tártaro e placa são removidos e uma boa higiene diária é mantida, em um ou dois dias a gengiva para de sangrar e, se o sangramento persistir, é aconselhável procurar um dentista.

Gengivite e Tártaro – Consequências de uma limpeza de dente incorreta

A gengivite é o primeiro estágio de um problema causado pela má higienização da boca, conhecida como doença periodontal. A gengivite é a inflamação da gengiva pela ação do biofilme bacteriano sob os dentes e a gengiva. A gengiva fica vermelha, inchada, apresenta dor ao toque e sangramento espontâneo. Esta fase da doença é reversível, ou seja, uma boa higienização e a limpeza proporcionada pelo dentista são suficientes para não causar maiores danos às estruturas da boca.

Uma vez que o tártaro não é removido, permanecendo durante meses na boca, a higiene torna-se cada vez mais complicada. O tártaro se intensifica e se direciona para a raiz do dente, causando destruição do osso, retração da gengiva e, consequentemente, o amolecimento e a perda dental. Esse estágio da doença é mais crítico, pois não há reversão. O osso perdido não pode ser recuperado.

A limpeza de dente é indicada para todos os pacientes de todas as idades. Para as crianças que não têm tártaro dental, pode ser feita a profilaxia com escovinha, pasta profilática e aplicação de flúor para manter os dentes livre da placa e de cáries.

É muito importante manter uma boa higiene bucal a fim de evitar problemas futuros. Procure um dentista e faça essa profilaxia de tempo em tempo. Veja com o profissional qual o tempo aconselhável para a limpeza. E, lembrem-se, problemas e doenças bucais podem ser evitadas com uma boa higienização periódica.

Referências: Dentalprev, Minha vida, Sorrisologia

Pin It on Pinterest

Share This

Compartilhe!

WhatsApp chat